quarta-feira, 31 de maio de 2017

aquela coisa chamada puerpério

“Eu voltei agora pra ficar
Porque aqui, aqui é meu lugar
Eu voltei pras coisas que eu deixei
Eu voltei”

Voltei rapidamente enquanto Dona Azeitona está de boas tirando uma sonequinha na cadeira milagrosa que ela ganhou. Cá estou eu comendo uma gordura trans e digitando o mais rápido possível pra tentar tirar a poeira que se instalou por aqui...

Mentira, vim na base do desespero mesmo só porque lembrei que no mês de maio não houve nenhuma postagem.

Hoje fomos ao pediatra e adivinhem o que teve? Isso mesmo, um super chororô nível barraco de novela mexicana: 2 meses e meio, 60cm e 6kg de puro cosplay de Maria do Bairro. Vocês leram direito? DOIS MESES E MEIO nessa vida de meu deus...  Já estou cultivando a tristeza por esse tempo sacana estar passando rápido demais. Vê se pode, minha exterogestação já está em vias de acabar...

Agora vamos para o resumo dos últimos capítulos:

1-      Dona Azeitona é a rainha da pele sensível. Já viram minha pequena problemática com as fraldas descartáveis, né... Vira e mexe rola uma senhora assadura com pós graduação por aqui. Começamos a entrar na Era das fraldas de pano modernas e ecológicas. Que amor. Confesso que é mais fácil do que imaginei. Estamos intercalando entre a fralda de pano e as descartáveis. Pra dormir: pano (muito mais confortável), pra sair: descartável (pela praticidade – não vale julgar a coleguinha). Nos momentos em que ela costuma fazer mais cocô, por ser muito líquido ainda, rola a descartável. Vou fazer um super post sobre isso quando ficar craque no assunto;

2-      A amamentação segue firme e forte por aqui. Aproveitei pra doar leite. Estamos doando para o Instituto Fernandes Figueira e é super prático: tiro leite com a bombinha 1 vez ao dia pela manhã, que é quando meus peitos estão mais cheios, e vou congelando nos potinhos. Uma vez por semana eles recolhem o leite e trazem novos potes pra armazenagem. É muito gratificante saber que o alimento que eu produzo pra minha Azeitoninha alimenta também outras crianças que precisam (prematuros) =)

Uma breve pausa enquanto sambo de leve na cara da sociedade: as pessoas dizem que sou magrinha e meus peitos pequenos, não acreditam que minha filha só se alimenta do meu leite e ainda consigo doar. Tá vendo society, como não dá pra julgar o livro pela capa...

3-      Pensei muito sobre como continuar com o blog. É realmente complicado manter um ritmo de postagem com uma bebê que não sai do colinho. Agora que a pequena está dormindo um pouquinhozinho melhor, vou conseguir aparecer mais. Pensei em criar um instagram como complemento do blog... Quem aqui faz isso?


Prometo que atualizarei esse cantinho quinzenalmente! Ah, e o próximo post será sobre o relato de parto, e agora é sério =)


terça-feira, 25 de abril de 2017

mas que raios eu estou fazendo de errado?

Pois é blogosfera, já é quase natal na Leader Magazine e esse relato de parto ainda não saiu. 

Primeiramente, desculpem o melodrama dos últimos posts... Eu tava ó, sensível pra caramba! O maior mimimi do universo por conta de 1 semaninha de atraso. Vê se pode?! Meu babyblues foi antes do bebê pelo visto...

Segundamente, desculpem a demora. Biscoitinha dorme super pouco, e sempre no colinho da mamãe (ela está dormindo no sling nesse momento - vamos glorificar de pé);

Terceiramente, desc... O bebe acordou, já volto.

3 DIAS DEPOIS...
E assim se resume a minha vida.

Era pra eu vir aqui hoje com meu relato de parto prontinho, mas a coisa toda tá andando em marcha lenta. Cada vez que venho aqui escrevo um pouquinho... E o post já está mais retalhado que roupa de festa junina. Assim não dá.

Eu já não fazia ideia do que eu estava escrevendo. Sabe como é né, o relato de parto tem que ser um post digno de relato de parto. Tenho que dar um gás aqui. Ele vem antes que Dona Azeitona tire a carteira de motorista, prometo.

Por aqui estamos bem. Uns probleminhas de família relacionados a saúde, mas bem. Amamentação tá linda, vou escrever muito por aqui sobre isso. Estamos vivendo um puerpério cheio de aconchego e colinho.

Dona Azeitona é super fofa, aprendeu a rir, adora bater papo, está uma gorducha, com bochechas que mais precisam de um guindaste para serem levantadas (pessoal do snapchat tá de prova). E eu, como sempre, super humilde sóquenão (é que não dá pra falar da cria sem aquele brilho nos olhos, sabe)?!
tipo essa bochecha ai, só que maior
Ela só fica no meu colo. SÓ. O resto do povo tem espinhos nos braços. O carrinho também. Graças ao sling eu consigo fazer xixi (com ela junto, claro), meus banhos são cronometrados, e quase sempre com chorinho de bebê como trilha sonora. Unhas nunca mais. Tô o bagaço da laranja, mas tô maternando feliz, isso que importa. Eu AMO minha filha coladinha comigo. Por aqui rola cama compartilhada também. Dá pra perceber que essa menina é a rainha da exterogestação, néeeeam. Tô literalmente vivendo o quarto trimestre de gravidez.

Por sinal, tô sendo mega criticada por dar muito colo pra minha filha, dizem que estou estragando a criança. Desde quando excesso de atenção e carinho estraga alguém?! Pelo q eu saiba, só o contrário causa danos. E minha coluna vai bem, obrigada.

Sobre o sono, as madrugadas são ótimas, só acordamos pra mamar e voltamos a dormir. Durante o dia é um olho que não fecha. Cheguei a fazer, a pedido do pediatra - preciso de um bom apelido pra ele... quem já viu o filme “Renascimento do Parto”?! Pois é, ele está lá, G.O. Maravilha também (quero ver quem adivinha)- o diário do sono e descobri que essa menina não dorme mais que 13 horas por dia, sendo em média, 11!!!! Isso contando as sonecas de passarinho de 20 minutinhos. O ideal para um RN são 16 a 18 horas diárias de sono. Ok, ela dorme pouco, mas e daí?!

E daí que rola o efeito vulcão. Vai chegando ao final do dia, lá pras 18h, e ela chora, chora, chora... Só quer a mamãe e o mama da mamãe, mesmo assim chora. Rola banho de ofurô, shantala, passeio de carro, paciência de Jó... Ela pára, mas em breve volta tudo de novo. Um ciclo sem fim.
ela
eu
 Eu leio e releio todos aqueles textos maravilhosos do pediatra espanhol Carlos González (pois é, depois da gravidez, trocamos o Michel Odent pelo González) e fico me perguntando:

Que merda eu estou fazendo de errado? Porque meu bebê chora?

E encontrei cavucando o amigo google esse site aqui (tá em inglês, e tempo pra traduzir prazamiga não tá rolando): http://purplecrying.info/what-is-the-period-of-purple-crying.php

Então tá, vamos de Purple time! A única coisa que nunca, nunquinha vou fazer, é deixar meu bebê chorando por algum espaço de tempo sem consolo ou sozinho.


Ps. Esse post foi escrito super rápido durante uma sonequinha de 50 minutos no sling. Oremos por alguma coerência em minhas palavras. 

sábado, 25 de março de 2017

o verbo no infinito


"E viver esse amor até morrer 
E ir conjugar o verbo no infinito..."

Dia 16/03 às 12:38 nasceu nossa amada biscoitinha, com 3.900kg e 51cm de pura gostosura, num lindo e intenso parto natural após 10 horas de trabalho de parto.

Deem as boas vindas a mais nova pisciana com ascendente em gêmeos e lua em escorpião (olha elaaaaa, a bff dos astros).


Por enquanto estamos aqui vivendo nossa exterogestação: muito colinho, amamentação por livre demanda, entre uma virada de noite e outra, umas fraldas que vazam (transição de tamanhos - RN pequena e XP ainda larguinha) e algumas golfadas.

Vou me atualizar das fofocas blogosféricas aos poucos. Volto em breve com o relato de parto =)

quinta-feira, 16 de março de 2017

quarta-feira, 15 de março de 2017

cada vez mais grávida

"E vou parir 
Sobre a cidade 
Quando a noite contrair 
E quando o sol dilatar 
Dar à luz"

Essa minha vida gravídica não está nada fácil. Semana passada uma gripe me pegou desprevenida, lá fiquei eu no chazinho de mel, limão e gengibre. Estou até agora com o nariz entupido e espirrando. Pra completar me bateu uma deprê que ninguém merece. É uma sensação de impotência terrível, de não poder fazer nada para contornar a situação.

Na madrugada de quinta pra sexta senti cólica. Bastante cólica. Seguidas de contrações de treinamento. É agora! Opa, não, não é agora, mas algo aconteceu. Comecei a sentir uma pressão giga lá nas partes baixas (êta maravilha). Só conseguia falar: minha perereca vai explodir, minha pereca vai explodir.

Sexta, com exatamente 40 semanas, lá fui eu pra mais um perfil biofísico fetal. Tudo glamouroso. Biscotinha já estava super lá embaixo (imaginei que a dor toda fosse ela encaixando). A médica foi fofa e me deu uma estimativa de peso e comprimento (3690kg e 53cm – achei esses centímetros todos meio desproporcionais, mas temos a margem de erro, então varia entre 51 e 53cm).

No fim de semana fui perdendo o tampão lentamente. Cada dia um pouco mais: horas branco, oras amarelado... Até que segunda o tampão saiu rosado, na terça com sangue e hoje vinho (era tanto que parecia uma água viva). Praticamente um arco-íris de tampão.

Como me preparei toda para receber a bebéia o mais rápido possível, fiz a depilação antes do carnaval, até pq ninguém imaginava essa gravidez eterna.

Essa terça tive consulta com G.O. Maravilha, que me examinou. Eu lá morrendo de vergonha toda aberta com os pelinhos nascendo tudo meio errado sabe. Visualizaram? Agora acrescentem meia dúzia de bolinhas vermelhas conhecidas como foliculite. É ou não é a visão do inferno?!

Passado esse vexame, tive minhas notícias: biscoitinha encaixou mesmo, toda linda; estou com 1cm de dilatação (toda a dor pra 1cm, ok tamojunto útero), colo 50% apagado (vale lembrar que ele já estava apagando quando eu perdi o tampão nas 34 semanas). Me senti progredindo a passos de formiga (e sem vontade).

Hoje tenho outro exame de perfil biofísico. Quinta tenho acupuntura com a minha querida enfermeira obstétrica.  

Está difícil pra caramba. Porém, cá estou eu respeitando o tempo do meu corpo e da minha filha. Nunca quis chegar nas 41 semanas (estou com 40+5), me frustrei muito por um trabalho de parto que ainda não aconteceu. Mas foi o que o universo trollador me proporcionou, cabe a mim escolher interromper ou dançar conforme a música. A decisão é muito pessoal. Maternidade é isso, ser flexível.

Além de ter que controlar minha ansiedade, tenho que me manter tranquila para as pessoas. Não, eu não estou tranquila, mas me mostrar nervosa só pioraria a situação. Tô toda trabalhada na falsidade. Se eu ganhasse 1 real para cada palpite que recebo, estaria divando maravilinda em Bora Bora.
Ela vai vir quando quiser, eu vou esperar até quando for possível. Eu não peço pra ela nascer, eu apenas digo que estou pronta pra recebê-la. Quando a gente segue um caminho ‘diferente’ do que as pessoas estão acostumadas (digo parto normal/natural), ou a gente tem culhões pra bancar nossas escolhas, ou a gente é levado pela maré. Hoje, entre um surto e outro, a única coisa que eu peço é força. E coragem. Torçam por nós =)

terça-feira, 7 de março de 2017

a lua me traiu

Acreditei que era pra valeeeeer...

É gente, teve mudança de lua, teve muita conexão, teve traição. Biscoitinha está me ensinando o verdadeiro significado de paciência.


Sabe quando a gente realmente tem esperança de algo e esse algo não acontece? Era eu domingo. O dia foi passando, nada foi acontecendo... Estava recebendo algumas mensagens de pessoas próximas: e ai, já nasceu?! Fui ficando frustrada, triste... A lua veio, a bebê não.

Não existe ninguém no mundo tão ansiosa pra conhecer essa pessoinha quanto eu (e o marido, claro)! Estamos hoje com 39+4 e tive consulta com a médica, que agora passaram a ser semanais. Até 41 semanas vamos esperar normalmente pelo tempo da bebéia. A partir daí vamos começar a conversar sobre o que fazer. Além disso, faremos também semanalmente o Perfil Biofísico Fetal. O único triste desse exame é que não consigo ver minha bebezinha, mas é o exame mais completo pra saber como ela está dentro do forninho.

O mais difícil disso tudo são os outros. Está sendo muito, muito complicado. Hoje mesmo recebi uma mensagem: e ai, já marcou a cesárea?

Eu não quero ser grosseira, mas é chato pra mim também. Uma coisa é uma pessoa que super te quer bem dizer que está ansiosa, outra coisa é uma amiga ligar e dizer que isso é coisa de índio, que eu estou esperando à toa, que vou acabar em uma cesárea mesmo, que estou ficando bitolada... Eu só queria esperar o tempo do meu bebê, só isso. Sei que ela vai dar sinais. 

A vontade é de mandar isso:


Agora vamos parar com o melodrama nesse post desabafo e vamos assuntar sobre o que interessa.

Por causa do tampão, a expectativa dela nascer um pouco antes do tempo (e consequentemente menorzinha) era grande. Acabei escolhendo roupinhas menores pra maternidade (até 3,5kg). E o medo danado de ficar tudo meio pequeno? E agora blogosfera?

Afinal, o que tem na mala do neném?

Dividi cada troca de roupa em um saquinho fofo próprio. Optei pelos de plástico em vez do tule. Estou levando:

- 4 mudas completas mega fofas pra visita ver que Biscoitinha está por dentro da moda. Em cada um dos saquinhos temos: fralda RN, macacão, body, luvinha, meia, cueiro, manta e lógico, laço.

- 2 saquinhos com roupas mais confortáveis, com: fralda RN, macacão, body, meia e swaddle (tipo um cueiro que comprei lá fora que amarra o bebe feito um charutinho). Pretendo usar a noite, pra dormir.
swaddle
- 6 panos de boca; 2 fraldas de ombro; uma toalha fralda; pacote de fralda RN fechado.

E na mala da mamãe?

- 3 camisolas de amamentação (uma toda trabalhada no glamour e outras duas mais confortáveis), 2 sutiãs de amamentação; fralda Plenitud pro pós parto; 2 calcinhas de cós alto que dão uma firmeza na barriguinha; calcinhas normais; absorventes noturnos e itens de higiene + make (pq né...). Estou levando também um par de conchas de amamentação esterilizadas (mas a intenção é não usar).

- 3 mudas de roupa do marido.

- Para o trabalho de parto estou levando um top extra, mel, chocolate, água e meia.

Fora isso temos as lembrancinhas e o enfeite da porta de maternidade. 

Lógico que achei tudo meio exagerado, mas, como dizem por ai, melhor pecar pelo excesso.

Por enquanto sigo aqui trabalhando a minha paciência e selecionando as músicas pro parto no Spotify. Aceito sugestões =)

Volto correndo assim que tiver sinais...


sexta-feira, 3 de março de 2017

aos trancos e barrancos


E o Oscar de Falsiane do ano vai para mim, claro, que prometi assuntar o carnaval todim e nem vim aqui dar sinal de vida! Sem perdão, eu sei!

Biscoitinha pelo visto é trolladora nível hard. Quis nascer antes, não rolou, agora não quer mais sair do bem bom não... O mais chato disso tudo é driblar as pessoas! Eu estava de repouso pra evitar um parto prematuro e agora tô aqui com 39 semanas... Esse tampão deve ter se regenerado a base de concreto, só pode!

Dia 05/03, as 8h33m a lua muda (sim gente, lua muda de manhã também) e é justamente a lua da minha concepção e a melhor pro parto: a Lua Crescente! Tô levando uns papos aqui com a inquilina pra ver se ela decide cooperar com nossa amiga lua! Vai que, né... Tô zero afim de recorrer a uma ordem de despejo, daqui a pouco a inquilina tá pior que Seu Madruga! 


Vou botar aqui um link pra quem se interessar na influência da lua no parto: https://www.trocandofraldas.com.br/mudanca-de-lua-e-sua-influencia-para-o-parto/

Mas afinal, o que teve essa semana? 

Teve carnagrávida. Causei no bloquim fantasiada de Beyoncé Tabajara, fingi estar ali na maior disposição, mas só fingi mesmo, pq tô aqui mais carniça do que carne... Aproveitei também pra curtir uma piscininha (que ajuda a aliviar o peso da barriga, viu), fiz até mercado!

Blogosfera, vocês não tem noção da felicidade que reinou em mim quando entrei no mercado... Não ia desde janeiro!!! Era tudo feito pelo marido por conta do repouso... Olha eu valorizando as coisas simples da vida. Óbvio que minha disposição acabou nos primeiros 20 minutos. A parte engraçada é que até a moça do caixa reparou o quanto meu bebê mexia: nossa, mexe demais, aposto que é menino.

E ai eu aprendi que pelo visto, além da cor azul, ser agitado também é coisa de pinto. Ah, nós mulheres, sempre tão doces e delicadas, sóquenão.

Ontem tive consulta com a fofa da enfermeira obstetra, que faz parte da equipe do meu parto! Foi a primeira consulta em que fui sozinha, sem o marido, e isso foi ótimo... Falamos sobre o parto, períneo, sexualidade... Tirei duvidas! Já hoje fiz o exame de perfil biofísico fetal com ultra e cardiotocografia. Tudo ótimo: liquido amniótico ok, placenta grau 2, bebéia na mesma posição de sempre (cefálica com dorso à direita) e ainda não está encaixada. Saí do exame com a sensação de que essa gravidez ainda vai se prolongar... Oh God, será que terei forças?

A parte boa disso tudo é que Biscoitinha já é considerada um bebê ‘a termo’ (ou full term). Um bebê está pronto pra vir ao mundo a partir de 37 semanas (quando não é mais considerado prematuro) até a semana 42+6. Cada um com o desenvolvimento no seu ritmo. Uns estão prontos antes, outros demoram mais um pouco... Por isso é tão importante não agendar um parto antes das 39 semanas quando a gravidez é saudável. Fiz aqui um esqueminha meia boca pra explicar melhor.


Agora vamos parar de fofoquinha e vamos falar de coisa de moça empoderada:

As fases da gravidez

Trago aqui umas imagens das modificações que acontecem no corpo feminino durante a gestação (peguei no http://www.childbirthconnection.org/healthy-pregnancy/your-body-throughout-pregnancy.html) e relatos do que eu vivi nessas 3 fases mágicas.


Primeiro trimestre - a semente:  traz com ela a alegria do positivo; os enjoos; o sono; as cólicas; o desespero de parecer um zumbi se arrastando pela rua; a fadiga; os hormônios da bipolaridade; o medo de algo não dar certo. Essa fase é muito 8 ou 80: viver a alegria da descoberta e junto com ela os sintomas pra lá de trolladores. 


Segundo trimestre - o caule: a fase vip, MA- RA-VI-LHO-SA; a barriga aparece; o bebê mexe; a gente fica linda; os hormônios dão aquela estabilizada; a gente está com a maior disposição do mundo; vem o enxoval; as pessoas participam mais acompanhando o crescimento da barriga; a gente se empodera mais e mais sobre parto + puerpério + amamentação (sem ter medinho pq a gente sabe que ainda falta pro bebê chegar, e medo ainda é um problema pra nós do futuro resolvermos). Não da pra reclamar dessa fase... 

Terceiro trimestere - a flor: êta fase difícil ein... tudo dói, TUDO: costela, costas, virilha, fisgadas na bexiga e na barriga; nosso amado xixi está ai amigo pra todas as horas (e as vezes parece meio descontrolado); cansaço; inchaço; falta de posição até pra dormir; as pessoas se metendo num nível estratosférico... Mesmo com tudo isso, eu amo essa fase! A barriga tá gigantona, o bebe está quase chegando e interage sempre, reconhece voz... É bom, a expectativa é gostosa.

E começa junto com ela o medinho pro parto. Gente, medo é normal, anormal é não ter medo. É aquele medo com plus de friozinho na barriga. Será que vai dar certo? É o medo de uma dor que vale a pena ser sentida! Uma dor do bem... Uma dor que tem mestrado e doutorado, sabe o porquê e o para que! Temos duas opções: nos aliar a dor ou fazer dela uma inimiga. A primeira opção parece ser menos pior, não é mesmo? Então a gente vai, e se der medo, a gente vai com medo mesmo (olha eu toda trabalhada em frase clichê). É por uma boa causa =]

Assuntei pra caramba hoje... Um super beijo pra quem conseguiu chegar até aqui! Seguimos com o combinado, venho pra avisar: trabalho de parto. Foca na lua gente, foca na lua =D